MEDITAÇÃO

MEDITAÇÃO

                             

A meditação vem sendo considerada uma das ferramentas mais eficazes na busca de equilíbrio e controle de síndromes sérias como a ansiedade, estresse e também a depressão.

Essa técnica oriental milenar de busca espiritual, propõe o treinamento e controle da mente; mas como essa prática pode mudar sua vida?

É importante salientar que existem dois significados um pouco diferentes, mas que se complementam, para a meditação nas civilizações orientais e ocidentais. Enquanto o oriente associa a meditação com busca espiritual; o ocidente, em especial as pesquisas científicas, relacionam a meditação a prática auto-regulatória do corpo e mente.

Meditação é definida como uma prática que busca treinar a mente, dirigir a atenção, diminuir a incidência de pensamentos repetitivos e, consequentemente, reorienta o cérebro tornando o eficaz para lidar com pensamentos prejudiciais.

Existem vários tipos de meditação, entre elas a mindfulness e a Shamatha e, ambas estão associadas à melhora de vários componentes cognitivos e emocionais.

A mindfulness por ser uma observação livre dos conteúdos mentais, sem, no entanto, ter a descarga de estresse vivenciada nas situações reais possibilita uma ressignificação de situações ou, pensamentos estressantes sofridos.

Estudos apontam que existe uma relação inversamente proporcional entre a meditação e o nível de cortisol, o hormônio do liberado em situações de estresse e que pode ser tóxico e muito prejudicial para os neurônios.

O forte trabalho de córtex frontal, córtex ventro medial e o fortalecimento da ligação entre áreas executivas e sistema límbico faz com que a meditação melhore significativamente a atenção/concentração e memória.

DICAS PARA MEDITAR

  1. Sente-se confortavelmente com ombros, pernas e pálpebras relaxados e inicie o processo de inspiração e expiração.
  2. Concentre-se nesse processo e observe o mesmo se tornando mais tranquilo e sereno enquanto aumenta sua percepção sentindo e focando sua atenção em seus batimentos cardíacos. Se sua mente divagar e pensamentos começarem a surgir, não se recrimine e tranquilamente volte sua atenção a sua respiração e batimentos cardíacos. Permaneça nesse exercício por 5 a 10 minutos.
  3. Você pode alternar essa técnica (mindfulness) com a de atenção plena. Para isso foque sua atenção em algo definido como uma rosa ou a chama de uma vela.
  4. Você pode ainda, alternar com a meditação de compaixão. Para essa prática você deve mentalizar pessoas e enviar energias positivas e mentaliza-las bem e sorrindo e entre as pessoas você deve incluir aquelas que por algum motivo você tenha algumas objeções ou ressentimentos.

                                     Alessandra Cerri

 

 

Bibliografia de apoio

BARROS, L.C.; DE LUCA, M.  Meditação. Mente quieta, coluna ereta. Filosofia de bem viver. São Paulo: Caras, 2004.

BISHOP, S.R.; LAU, M.; SHAPIRO, S.; CARLSON, L.; ANDERSON, N.D.; CARMODY, J.; SEGAL, Z.V.; ABBEY, S.; SPECA, M.; VELTING, D.; DEVINS, G.  Mindfulness: a proposed operational definition. Clinic Psychol, v.11, p. 230-241, 2004.

BOETTCHER, J.; ASTROM, V.; PAHLSSON, D.; SCHENSTROM, O.; ANDERSSON, G.; CARLBRING, P.  Internet based mindfulness treatment for anxiety disorders: a randomized controlled trial. Behavior Therapy. v. 45, p.241-253, 2014.

BROWN, K.W; RYAN, R.M. The benefits of being present: mindfulness and its role in  psychological well-being. J Pers. Soc. Psychol, v. 84, p. 822-848, 2003.  

BROWN, C.A.; JONES ,A. K.  Meditation experience predicts less negative appraisal of pain: Electrophysiological evidence for the involvement of anticipatory neural responses.  PAIN Intenational Association for the study of Pain.  v.150, p. 428-438, 2010.

DAVIDSON, R.; McEWEN, B.S.  Social influences on neuroplasticity:stress and interventions to promote well-being.  Nature Neuroscience, v.15, n.5, 2012, p.689-695, 2012.

HAZLETT-STEVENS, H.  Mindfulness- Based Stress Reduction for comorbid anxiety and depression.  The journal of nervous and mental disease, v. 200, n. 11, p. 999-1003, 2012

LEVINE, M.  The positive psycology of buddhism and yoga: paths to a mature happines. New Jersey: Lawrence Erlbaum Associates, 2000.

MENEZES, C.B.; DELL´AGLIO, D.D.  Os efeitos da meditação à luz da investigação científica em psicologia: revisão de literatura.  Psicologia, ciência e profissão, v.29, n.2, 2009, p.276-289.

MILBURY, K.; CHAOL, A.; BIEGLER, K.; WANGYAL, T.; SPELMAN, A.; MEYERS, C.; ARUN, B.; PALMER, J.; TAYLOR, J.; COHEN, L.  Tibetan sound meditation for cognitive dysfunction: results of a randomized controlled pilot trial. Physico Oncology. V. 22, p. 2354-2363, 2013.

MOHAN, A.; SHARMA, R.; RAMESH, L.  Effect of meditation on stress-induced changes in cognitive functions.  The journal of alternative and complementary medicine. V.17, n.3, 2011, p 207-212

OLEX, S.; NEWBERG, A.; FIGUEREDO, V.  Meditation: Should a cardiologist care.  International Journal of Cardiology. V.168, p. 1805-1810, 2013.

ORME-JOHNSON, D.; BARNES, V.  Effects of transcendental meditation technique on trait anxiety: a meta-analysis of randomized controlled trials. The journal of alternative and complementary medicine. v.20, p.330-341, 2014.

RUBIA, K.  The neurobiology of meditation and its clinical effectiveness in psychiatric disorders. Biological Psychological Journal.  v.82, p 01-11, 2009.

SHAVER, P.R.; JACOBS, T.J.; ZANESCO, A.,P.; AICHELE, S.; ROSENBERG, E.; KING, B.; SAHDRA, B.; FERRER, E.; EPEL, E.; BRIDWELL, D.; MacLEAN, K.; KEMENY, M.; WALLACE, B.A.  Self-reported mindfulness and cortisol during a Shamatha Meditation Retreat. Health Psycology, v.32, n.10, p.1104-1109, 2013.

admin

Leave a Reply